FECHAR O CORPO

 

   

Imunizar-se contra acidentes, perigos, moléstias ou sortilégios. O mesmo que sarar. O povo quer ter o corpo fechado para não entrar nenhum mal: faca, veneno de cobra, feitiço, encosto, mau-olhado, arma de fogo.

Alguns meios para fechar o corpo: simpatias, Santo Antônio Pequenino enterrado no corpo, oração forte.

Nos passes e nas orações para fechar o corpo detectamos os sofrimentos e a insegurança que cercam o pobre.

Existem orações escritas em forma de cruz para fechar o corpo contra balas, facas, correntes e outros maus elementos. Por ex.: Deus te salve, Cruz preciosa por ti salve quem por ti remiu. Diz a cruz de N.S. Jesus Cristo que F. tornou-se mais feliz e sem perseguição. Eu creio porque nela está a verdade, nela está o poder, nela está a fé a esperança, nela está a salvação, nela está a vida, nela está a caridade. 5 P.N., 5 A.M., G.P.. oferecidos pela sagrada paixão e morte de N.S. J.Cristo. Amém.[1] Os 5 P.N. e A.M. se explicam pelas cinco chagas de Jesus Crucificado. Em Rui Barbosa (BA), achamos este outra prece: Em Roma foi nascido/ com leite de Nossa Senhora foi lavado/ Com a chave de Nosso Senhor Jesus Cristo/ o meu corpo está fechado.// Entre as muitas orações para fechar o corpo, estão as de São Jorge, São Silvestre, São Bartolomeu, a oração do Justo Juiz, as da cruz de São Bento, da pedra cristalina e a oração do padre Cícero, o Breve de Roma e a Força do credo. Freqüente também é a oração de Sta. Catarina: Santa Catarina milagrosa, se tiver alguma coisa atada dentro de minha casa ou do meu corpo, sairá em nome de Santa Catarina; se eu tiver inimigo não me enxergarão; não serei ferido com armas de fogo, nem com faca; não serei preso, em nome de Deus e de Santa Catarina; de hoje em diante entra a luz Divina dentro da minha casa, em nome de Deus e a Nossa Senhora Santa Catarina; não serei mordido de cobras, nem de aranhas, em nome de Santa Catarina; de hoje em diante que se abram os meus negócios, em nome de Santa Catarina. Em nome de Deus e de Santa Catarina não me botarão inveja, olho gordo e mal olhado.(MG)  E outra de Nossa Senhora de Fátima: Que a Nossa Senhora de Fátima me cubra com o seu manto protetor e que a corte dos anjos do céu me proteja e amparem, que eu seja feliz de hoje em diante e que a luz Divina penetre no meu lar, em nome da puríssima e milagrosa Nossa Senhora de Fátima; que não entre doenças no meu corpo, em nome de Nossa Senhora de Fátima e do Poderoso Pae Celestial. (MG) Várias destas rezas para a defesa do corpo usam o simbolismo da chave do sacrário. Outra oração encontrada num patuá diz: As três pessoas distintas/ da Santíssima Trindade/ rodeia este corpo/ que peço por caridade.// Com a chave do sagrado/ que feche todo meu corpo/ para livrar-me do inimigo/ que posso encontrar de tôpo.// Pois quando o azar vier/ contai no meu coração/ guardai-me dentro da estrela/ do signo de Salomão.// Olhai-me quando eu estiver dormindo/ e quando estiver acordado/ que pelos Dez Mandamentos/ meu corpo estará fechado.// Se algum dia eu for chamado/ em sessão pra me fazer mal/ encontrarão em mim firmeza/ só feita de dura pedra de cal.// Deus adiante e paz na guia/ o anjo da guarda ao lado/ as três pessoas distintas/ que traz meu corpo fechado.// 

Dificilmente o povo revela sua oração contra os inimigos ou a reza para fechar o corpo. Temem que perca o encanto. Para não abrir o corpo, não se deve comer tapioca, sentar em pedra de amolar ou no pilão, nem atravessar riacho, passar por baixo de uma cerca sem tirar o chapéu, beber água de bruços ou atravessar uma encruzilhada.

No folheto “Pavoroso Desastre de Trem no Dia 31 de outubro de 1949 – 7 Mortos e 9 feridos”, o poeta popular Moisés Matias de Moura dá uns conselhos aos maquinistas de trem: Aconselho os maquinistas/ que tenha muito cuidado/ Quando passar na Moitinga/ não passa muito apressado/ sempre se lembra da hora/ que este trem foi virado.// Mas não precisa ficarem/ divido isto medroso/ rezem e se encomenda a Deus/ que serão vitorioso/ não esmoreçam com isto/ Nosso Deus é poderoso.// Na hora que for deitar-se/ faça seu pelo sinal/ reze uma salve-rainha/ ao Pai celestial/ que feichará o seu corpo/ e estar (estará) livre do mal.// E quando se levantarem/ se benzem neste momento/ e faça sua viagem/ com Deus no pensamento/ que não aconteça nada/ Deus nos dar (dará) o livramento.// Se todos amassem a Deus/ com inteira devoção/ nunca havia em seu negócio/ nenhuma contradição/ Na terra ganhava a vida/ e na morte a salvação.//

Segundo Luís da Câmara Cascudo, também o catimbó conhece rituais para fechar o corpo contra “balas quentes, facas frias, águas mortas e vivas, fogo, dentada peçonhenta, praga e malefício”.[2]

[1] ORTÊNCIO, Bariani. Dicionário do Brasil Central. São Paulo, Ed. Ática, 1983. p.309.

[2] Apud: MAIOR, Mário Souto. Orações que o Povo reza. São Paulo, IBRASA, 1998. p.61.